Lac Léman

Lausanne – Passeio pelo Lac Léman

Durante os dias em que fiquei em Lausana, eu tive a oportunidade de curtir a paisagem do lago de diversos pontos de vista. Como a cidade se encontra em um morro, vários lugares proporcionam uma vista privilegiada. Foi o caso da torre de madeira do Parc de Sauvabelin, da visita ao museu Fondation de l’Hermitage, do passeio pelo Esplanade de Montbenon e da subida na torre do sino da Cathédrale Notre-Dame. Não podia faltar, entretanto, ver o lago mais de pertinho.

Lago Léman
Lago Léman

Os celtas chamavam o lago de Lem an, um nome que pode ser traduzido como “água grande”. De fato, é o maior dos lagos da Europa Ocidental, (…). Também se destaca pela navegação. A companhia marítima CGN, por exemplo, opera em suas águas cerca de dez barcos a vapor com rodas de pás – a maior frota na Europa para embarcações nesse estilo. Além disso, balsas ligam as várias cidades e vilarejos espalhados em suas margens. Fora as diversas opções de passeios turísticos. Quando eu fui para a região, planejei fazer o trajeto até o Château de Chillon ou até Genebra de barco, mas acabei optando pelo trem para otimizar o tempo.

Falando em Genebra, o Lac Léman também é conhecido como Lac de Genève (francês), Genfersee (alemão) e Lago Genebra, em português. Isso porque uma das cidades mais importantes às suas margens é justamente essa. Se você afastar o mapa interativo acima, verá que o lago fica na fronteira entre a Suíça e a França, com Genebra bem na pontinha da parte sul.

O primeiro registro conhecido do seu nome é Lacus Lemannus, na época do Império Romano. Depois tornou-se Lacus LausoniusLacus Losanetes e então Lac de Lausanne, na Idade Média. Com a crescente importância de Genebra, tornou-se Lac de Genève. Já no século XVIII, o nome Lac Léman foi revigorado. Chamá-lo de Lago Genebra atualmente é controverso, uma vez que o nome faz referência mais à parte sul, correspondente ao Pequeno Lago.

Vista da estação do metrô
Vista da estação do metrô

Para chegar até o lago, resolvi pegar o metrô, que desce o morro em linha reta com algumas estações pelo caminho. Eu estava hospedado no Hôtel Résidence du Boulevard, que fica bem próximo à estação central de trem e ao metrô de Grancy. A passagem era de graça, visto que a hospedagem disponibiliza um cartão para cada hospede utilizar o transporte público da cidade livremente durante seu período de estadia. De qualquer maneira, nesse dia eu estava usando o Swiss Travel Pass, um bilhete turístico que engloba viagens por todo o país, uso do transporte local e entrada para a maioria dos museus.

O destino era a estação de metrô Ouchy-Olympique, que fica bem próxima às margens do lago. A partir dali, você pode ir até o porto para iniciar um passeio de barco do terminal Lausanne-Ouchy. Como eu não faria esse tour, fui ali apenas para apreciar a paisagem.

Château d'Ouchy
Château d’Ouchy

Um dos destaques dessa região é o Château d’Ouchy, um hotel chiquérrimo que se tornou um cartão postal por si só. Funcionando em um autêntico edifício do século XII, sua história começa com a construção de uma torre à beira do lago, em 1177, pelo bispo Landri de Durnes. Um século depois, o edifício foi ampliado e fortalecido para acomodar os bispos de Lausanne, além de ser usado como prisão. Já após da Idade Média, o castelo tornou-se propriedade dos oficiais de justiça de Berna. Após um período de abandono, quando sua torre foi reduzida a cinzas em 1609, o cantão de Vaud o recuperou e vendeu parte da propriedade para Jean-Jacques Mercier. Ele foi o responsável pelo atual estilo neogótico e uso como hotel, já que colocou abaixo as ruínas da estrutura e construiu a infraestrutura hoteleira, deixando apenas a masmorra intacta. Atualmente, o Château d’Ouchy é considerado uma das grandes propriedades suíças de importância cultural. Em frente ao hotel é possível alugar pequenos barcos para passeios privados.

Place du Général Guisan
Place du Général Guisan

Seguindo a caminhada, passei pela Place du Général-Guisan, recuada da agitação à beira do lago. Henri Guisan é um líder militar suíço considerado um herói nacional, já que comandou o exército do país durante a Segunda Guerra Mundial, por isso está representado em uma estátua montado em um cavalo. Mas a praça pouco lembra a guerra. Ali estão plantadas cerca de sessenta variedades de rosas, que podem ser vistas passando pelos caminhos abertos entre os canteiros dos jardins, e árvores centenárias como castanheiras e plátanos.

Caminhada à beira do lago
Caminhada à beira do lago

Dali, fiz uma agradável caminhada pelo calçadão que fica à beira das águas. O lago formou-se após a última era glacial, há aproximadamente 15 mil anos atrás, e chega a 310 metros de profundidade. Encravado entre as montanhas dos Alpes e a cordilheira do Jura, essa grande massa de água cria um microclima ameno, protegido do rigoroso inverno montanhoso por conservar o calor, mas também fresco no verão. Durante o trajeto, você pode observar os cisnes brancos se alimentando próximo à margem e as montanhas com picos nevados ao fundo.

Parc Olympique
Parc Olympique

O curto passeio tinha como destino final o Le Musée Olympique, o maior museu do mundo dedicado a recontar a história das Olimpíadas. Sua localização em Lausanne faz sentido porque a cidade é sede do Comitê Internacional Olímpico (COI), criado para reviver o evento que era realizado na Grécia Antiga. Para chegar ao museu, é preciso subir as escadarias ou rampas que cortam o Parc Olympique. Lá de cima, se tem uma bela vista da paisagem no entorno do Lac Léman.

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s