Museggmauer

Lucerna – Caminhada pelas torres medievais da Museggmauer

A paisagem da cidade de Lucerna é pontuada pelas diversas torres medievais que compõem a Museggmauer, uma muralha no lado norte da cidade. A construção desse segundo anel de fortificações teve início no começo do século XIV, quando a cidade já havia se expandido para além das proteções originais. Naquela época, a edificação tinha apenas 3,50 metros de altura, tendo sido elevada posteriormente para alcançar os 9 metros atuais. Estrategicamente falando, a estrutura com 1,5 metros de espessura ficou ultrapassada já no período da sua construção, sendo militarmente ineficaz.

Mapa das fortificações da cidade
Mapa das fortificações da cidade

Desde a sua concepção, o Museggmauer era mais do que uma simples fortificação. Se o objetivo fosse apenas esse, as torres não teriam sido construídas diferentes estéticas. De fato, um dos objetivos era ter prestígio e funcionar como o cartão de visitas de uma cidade autoconfiante e em ascensão.

No mapa acima é possível ver o primeiro anel de muralhas que protegia a cidade. Dessa estrutura fazem parte as Kapellbrücke e Spreuerbrücke, duas pontes de madeira sobre o rio Reuss, marcadas com letras. Acima, com uma linha vermelha e pontos numerados de 1 a 9, fica a muralha desse passeio.

Circuito da muralha e das torres
Circuito da muralha e das torres

O passeio pela muralha funciona durante os meses de verão, como eles chamam o período quente do ano, sempre durante o dia. O caminho fica fechado no inverno por questões de segurança, principalmente pelo risco de quedas por causa da neve. A administração aproveita esse tempo sem visitas para fazer os serviços de manutenção do patrimônio. Os meses (geralmente, de abril a novembro) e horários de funcionamento podem ser conferidos na página oficial. Durante o resto do ano você pode ainda assim ver a muralha e as torres, mas só do lado de fora.

Passagem sob a Nölliturm
Passagem sob a Nölliturm

O meu passeio começou junto ao rio, na Nölliturm (marcada com o número 1 no mapa acima). Essa torre foi construída entre 1516 e 1519 como substituta para uma antiga, já em ruínas, e recebeu esse nome em XVIII, provavelmente como referência ao seu guardião da época. A forma redonda com 13,45 metros de diâmetro externo e 28 metros de altura encontra-se muito bem conservada. A única mudança feita posteriormente à sua construção foi a abertura da passagem, entre os anos de 1900 e 1901, época do aterramento que tomou uma parte das águas e abriu o boulevard na margem direita do Reuss. A Nölliturm foi usada para armazenamento de pólvora durante vários séculos até 1852. Serviu, depois, por um curto período, para guardar armas e petróleo. A partir de 1875, foi alugado como depósito. Desde 1922, a torre tem sido usada como escritório de uma guilda e como arquivo.

Caminho do lado de fora da cidade velha
Caminho do lado de fora da cidade velha

A primeira parte do passeio é feita pelo lado da muralha voltado para fora da cidade velha. Basicamente a gente vai subindo por umas rampas e escadas que ficam ao longo de uma colina gramada – tinha até umas vaquinhas pastando por ali, parece que você saiu da cidade. Esse caminho externo não tem estrutura para tornar o passeio acessível para pessoas com cadeiras de roda ou empurrando carrinhos de bebê por causa dos degraus.

As escadas são bastante íngremes
As escadas são bastante íngremes

Falando em subida, as torres possuem escadas estreitas e íngremes de madeira, o que também dificulta o acesso, inclusive para quem sente vertigem com altura. Das nove torres que ainda existem e podem ser vistas durante o passeio, é possível entrar e subir em quatro delas, listadas abaixo em negrito.

  1. Nölliturm
  2. Männliturm
  3. Luegislandturm
  4. Wachtturm
  5. Zytturm
  6. Schirmerturm
  7. Pulverturm
  8. Allenwinderturm
  9. Dächliturm
Vista do terraço da Männliturm
Vista do terraço da Männliturm

A segunda torre é a primeira que dá para entrar. A Männliturm, com 33 metros de altura, não possui uma data conhecida de construção. O que se sabe é que as torretas que ficam na parte superior receberam novos telhados no ano de 1537. A torre não mudou de forma desde o século XV, exceto pela substituição da estrutura do terraço por um teto de concreto armado, em 1934.

Você entra por um subsolo e sobe uma escada em espiral. Depois são mais quatro andares até o topo. Algumas pessoas podem se questionar se vale a pena o esforço da subida e a resposta direta e simples é: sim. De lá, além de ver detalhes da arquitetura da própria torre, você também tem uma bela vista da cidade.

Luegislandturm vista de fora
Luegislandturm vista de fora

Depois de passear lá dentro, você sai e continua seguindo o caminho pelo lado de fora até chegar na Luegislandturm, construída pouco depois de 1367 com 52,6 metros de altura. Assim como a primeira, seu nome parece ter vindo dos guardas que viviam na casa e tinham como função identificar pontos de incêndio na cidade. A gente vê a fachada toda coberta de pedras, mas do outro lado, voltado para a cidade antiga, ela é aberta. Das torres da muralha, apenas essa manteve esse formato de concha.

Vista de cima da muralha
Vista de cima da muralha

A próxima é a Wachtturm, ou torre de vigia. Você precisa entrar nela e subir porque o passeio segue agora pela parte de cima da muralha, de onde também é possível ter uma vista da cidade. Quando eu fiz esse tour, o acesso à parte superior estava fechado, então é só subir a escada que dá na parte superior da muralha mesmo. O espaço de passagem lá em cima é estreito e também há escadas nas torres em si, o que também impede ou dificulta o uso de cadeiras de rodas, carrinhos de bebê ou trânsito de pessoas com mobilidade reduzida.

Wachtturm, a torre do vigia
Wachtturm, a torre do vigia

A Wachtturm foi construída no lugar onde antes estava a Heuturm. O local era usado para armazenamento de pólvora e explodiu em 1701 ao ser atingida por um raio, causando grandes danos à estrutura, às paredes adjacentes e às casas próximas. O incidente chegou a matar cinco pessoas. Imediatamente reconstruída, passou a ter esse nome algumas décadas depois, quando o trabalho de vigia foi transferido da Luegislandturm para lá.

Relógio da Idade Média
Relógio da Idade Média

A Zytturm, ou torre do tempo, foi construída para funcionar como o relógio da cidade, colocado na fachada sul. O interessante de subir nessa torre é ver todo o mecanismo, datado de 1535, usado para marcar as horas e badalar o sino, que possui relevos de uma crucificação e o escudo de Lucerna. Eu já tinha feito uma visita guiada muito interessante no Zytglogge de Berna, que possui um sistema complexo de pesos que controlam não apenas os relógios e sinos, mas também bonecos autômatos. Ainda assim, gostei de ter visitado outro relógio dessa época. A visitação foi aberta ao público em 1951.

Parte superior da Schirmerturm
Parte superior da Schirmerturm

Dali já dá para você descer e terminar o passeio, mas ainda tem uma torre mais para frente aberta a visitação. A Schirmerturm foi construída pouco depois de 1420 e possui aberturas que eram usadas por arqueiros e besteiros na Idade Média para proteger a cidade. A vista não é tão interessante quanto à da Männliturm, que possui um terraço aberto na parte superior e está mais próxima do rio, mas também vale a pena conhecer.

Fim do passeio por cima muralha
Fim do passeio por cima muralha

A partir daí não dá para seguir o passeio por cima da muralha, pois uma grade impede a passagem. Outras três torres ficam mais para frente: a Pulverturm, a segunda mais antiga da muralha, do século XIV, servia como depósito de pólvora; e as Allenwindenturm e Dächliturm, ambas sem uma data determinada de construção. Essa última é a menor das torres da fortificação, com 27,35 metros de altura.

Acesso ao parque
Acesso ao parque

O legal é que você não precisa fazer o caminho todo de volta no final do passeio. Ali junto da Schirmerturm tem uma descida que dá para outro caminho à beira da muralha, dessa vez do lado de dentro da cidade velha. Dali dá para ver as torres que não podem ser visitadas. Eu fui na primavera, então estava tudo bem verdinho e bonito.

Zytturm, a torre do relógio
Zytturm, a torre do relógio

Além disso, dá para ver melhor os detalhes das fachadas das torres. Uma das coisas que chama a atenção na Zytturm vista de mais longe é o desenho que mostra dois homens sustentando o mostrador do relógio. Quando eu fui, a parte de cima estava apagada, mas vi na internet que ela mostra outros dois indivíduos batendo o sino. O som podia ser ouvido em toda a região, pois a torre tem uma altura de 31 metros. Na parte de baixo, com uma entrada moderna que contrasta com o resto do ambiente, há uma coleção de relógios de torres da região.

Torres vistas do parque
Torres vistas do parque

Obviamente que você também pode fazer o caminho contrário, começando o passeio por esse parque e saindo na beira do rio. Vai depender somente de onde fica mais fácil e para onde você quer ir no final.

Dos jardins você pode descer para continuar o passeio pelo centro histórico da cidade. Ali fica uma parte mais comercial de Lucerna, mas que também tem vários prédios e praças antigas que merecem muito ser visitados. Eu aproveitei para também fazer uma parada estratégica no Manora Restaurant, que eu já tinha lido que servia uma comida gostosa e barata, sendo uma ótima opção para o almoço.

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s