Jungfraujoch, Top of Europe

Jungfraujoch – Passeio no topo da Europa

Por mais de 100 anos essa ferrovia leva visitantes até a mais alta estação de trens de toda a Europa, a 3454 metros de altitude em relação ao nível do mar. Daí que vem o nome Top of Europe, por sinal. Como o caminho até lá conta com diferentes vias de acesso e envolve algumas trocas de trem, além de ter nomes pouco familiares e, algumas vezes, confusos, fiz uma postagem específica para que você entenda o trajeto do passeio.

Estação de trens Kleine Scheidegg
Estação de trens Kleine Scheidegg

Eu estava hospedado no ibis Budget Bern Expo, na capital do país, Berna. O primeiro passo foi fazer uma viagem até Interlaken, prestando atenção para descer na estação chamada Interlaken Ost (não confundir com Interlaken West, que fica na mesma cidade). Ali comprei os bilhetes do passeio. Você pode escolher subir via Lauterbrunnen ou Grindenwald. Eu subi por um lado e desci pelo outro, usando nessas viagens o Swiss Travel Pass, o que me rendeu uma boa economia no preço das passagens. Seja como for, os dois caminhos dão na estação Kleine Scheidegg, que é onde começa efetivamente o passeio para o alto da montanha.

Parada em Eismeer com vista das montanhas
Parada em Eismeer com vista das montanhas

O trajeto entre as estações de Kleine Scheidegg → Jungfraujoch (35 minutos) é feito, em grande parte, através de um túnel com 7km de extensão escavado nas rochas da montanha, então não há muito o que se ver em termos de paisagens. O caminho foi aberto entre os anos de 1896 e 1912. É feita uma parada na metade da viagem, em Eismeer, cujo nome pode ser traduzido como “mar de gelo”. Ali dá para sair do trem e ver as montanhas com neves eternas através de grandes janelas. Também é um bom momento para se agasalhar, pois lá em cima faz bastante frio, e ir no banheiro.

Mapa dos atrativos

Alguns minutos depois você chega ao Jungfraujoch. Eu recomendo fazer uma pesquisa sobre o clima antes de comprar antecipadamente os ingressos. Eu deixei para comprar na hora, pois queria garantir que subiria em um dia de céu aberto, e não tive nenhum problema quanto à lotação. Devo lembrar que o tempo é bastante diferente aos pés da montanha e lá em cima, então é necessário consultar a página oficial, que possui inclusive câmeras ao vivo. Reserve cerca três horas para explorar o local com calma. Mais que isso se você quiser fazer atividades como trilha ou atividades no gelo. O mapa acima mostra o que será encontrado e a ordem mais lógica para fazer o passeio – nem tente andar contra o fluxo.

1. Estação
2. Armários para bagagens
3. Jungfrau Panorama
4. Sphinx
5. Aletschgletscher – Snow Fun Park
6. Mönchsjochhütte
7. Apline Sensation
8. Eispalast
9. Plateau
10. Berghaus

1. O primeiro lugar que você vai passar será na estação, que é onde chega o trem. A linha foi aberta em 1912, sendo um trabalho pioneiro de ferrovias em montanhas. A subida de 1400 metros é feita em 35 minutos passando por um túnel aberto nas rochas. Pode acontecer de algumas pessoas se sentirem mal devido à altitude, principalmente até se adaptarem. Fiz uma postagem sobre mal de montanha, recomendo que deem uma lida sobre como evitar o mal-estar.

Desembarque na estação Jungfraujoch
Desembarque na estação Jungfraujoch

2. Para quem está viajando com malas ou bolsas, é bom colocá-las nos armários. Confesso que eu não usei o Gepäckschliessfächer, mas acredito que seja naquele esquema de você depositar uma moeda para liberar a chave e receber o valor de volta quando for retirar a sua bagagem. Eu estava apenas com uma bolsa de passeio pequena nas costas e achei melhor levá-la comigo.

Armários para malas e bolsas grandes
Armários para malas e bolsas grandes

3. O primeiro ponto que realmente faz parte do passeio lá em cima é o Jungfrau Panorama, uma sala com imagens das montanhas de diversos ângulos. O que acontece é que, por ser muito alta, a área externa pode estar tomada por nuvens e você acabar não vendo nada. Daí a salvação é apreciar essa parte – mas eu avisei ali em cima para ficar de olho no clima antes de fazer o passeio, vai por mim.

Apresentação de fotos e vídeos no Panorama
Apresentação de fotos e vídeos no Panorama

4. A subida até o Sphinx Observation Deck é feita por um elevador bem rápido, escalando 108 metros em apenas 25 segundos. Lá em cima tem uma parte interna com janelas panorâmicas que dão uma vista boa da área externa, uma boa pedida para quem estiver com muito frio. A temperatura lá fora geralmente é negativa. Eu mesmo fui na primavera e estava fazendo -7 graus – fora o vendo, que congela até os cabelos do cu. Assim como em outras áreas, também tem uma lanchonete vendendo lanches. Sinceramente, recomendo fortemente levar sua comida para economizar.

Parte interna do Sphynx
Parte interna do Sphynx

A estrutura é, na verdade, um observatório astronômico localizado no ponto mais alto da estação. Ali funcionam dois grandes laboratórios, uma estação meteorológica, um workshop, a cúpula astronômica e meteorológica e dois terraços voltados para experimentações científicas. A 3571 metros de altitude em relação ao nível do mar, esse é um dos observatórios mais altos do mundo e o segundo da Suíça.

Observatório astronômico e meteorológico
Observatório astronômico e meteorológico

Se você reparar na foto acima, verá que a maioria das pessoas está concentrada de um lado do terraço externo. Isso é porque de um lado se tem a vista dos vilarejos por onde passamos no trajeto de trem até o topo da montanha e do outro tem as montanhas dos Alpes Suíços, incluindo o Jungfrau, Mönch e Eiger a poucos quilômetros de distância. Uma placa permite identificá-los, além de conter informações sobre a altura de cada um deles.

Mapa das montanhas
Mapa das montanhas

Obviamente que a quantidade de pessoas no local exige um pouco de paciência para tirar as suas fotos. Quando eu fiz esse passeio, tinha algumas famílias de determinada nacionalidade que não irei citar para não causar mal-estar (não eram brasileiros) que eram extremamente mal-educados, entravam na frente das fotos, empurravam, falavam alto… Acredito que seja da cultura deles, mas é preciso muita paz de espírito para não ficar irritado.

Paisagem de gelo
Paisagem de gelo

5. Depois, desci o elevador e o próximo passo seria visitar o Aletschgletscher, que é onde funciona o Snow Fun Park. A atração fica aberta do começo de maio até o meio de outubro, mas estava fechada no dia que eu passei por lá. Não lamentei o fato porque eu não ia mesmo aproveitar as atividades, que são cobradas à parte e incluem ski, snowboard, tirolesa, sledging e outras coisas. Caso tenha interesse, recomendo que faça uma pesquisa dos preços na página oficial e se programe para ter mais tempo no local.

Painel mostrando o Snow Fun fechado
Painel mostrando o Snow Fun fechado

6. Outra coisa que exige bastante tempo é a caminhada até o Mönchsjochhütte. Apesar de ter ficado interessado, são de 45 a 60 minutos de ida e o mesmo tanto de volta por uma trilha demarcada na neve. Confesso que eu queria ter me programado para poder ter feito isso, mas fiquei preocupado com o tempo que seria gasto e acabei deixando de lado. O destino é uma cabana no meio do nada, onde vive um caseiro. Ali, até as mais mundanas das atividades necessitam cuidados especiais. A água precisa ser derretida para ser utilizada e a comida chega de snowmobile, por exemplo. Para quem estiver mais animado, também dá para passar uma noite no local e as reservas são feitas na página oficial.

Mönchsjochhütte
Mönchsjochhütte

7. O Alpine Sensation é um corredor de 250 metros de cumprimento que fica entre o Sphinx Hall, onde está o elevador que vai até o observatório, e o Eispalast. É, portanto, um lugar por onde você vai passar de qualquer maneira. É uma área bem colorida, com luzes, música e maquetes animadas que relembram os primórdios da estação.

Luzes e cores do Alpine Sensation
Luzes e cores do Alpine Sensation

Também há várias fotografias dos alpes e dos trabalhos realizados na construção, incluindo um memorial para as pessoas que sofreram acidentes nas obras. Essa parte é percorrida em uma esteira rolante tipo aquelas que encontramos em alguns aeroportos grandes.

Esteira do Alpine Sensation
Esteira do Alpine Sensation

8. Das partes internas do passeio, a que eu mais gostei foi o Eispalast, ou Palácio de Gelo. O espaço cheio de corredores possui paredes e piso de gelo e é um tanto escorregadio, então é preciso andar com um certo cuidado para não cair no chão. Os guias que trabalhavam no local criaram o espaço nos anos 1930 com picaretas e serras, abrindo caminhos na geleira do Jungfraufirn.

Palácio de gelo
Palácio de gelo

Hoje, artistas utilizam a matéria-prima para criar impressionantes esculturas de gelo super detalhadas. Ali é possível encontrar águas, pinguins e ursos, além de algumas surpresas bem-humoradas e uma grande placa onde se pode ler “Top of Europe”, ótimo lugar para tirar fotos de lembrança da viagem.

Esculturas de gelo
Esculturas de gelo

9. O Plateau é outra área externa que pode ser visitada e proporciona uma ótima vista. Como o chão está tomado pela neve e há inclinações a serem subidas e descidas, essa é a parte mais escorregadia do passeio – vi algumas pessoas escorregando ou tendo que andar junto às cordas de proteção para se segurar. A área é maior que a do observatório e também mais natural, então vale a pena visitar os dois espaços.

Área livre do Plateau
Área livre do Plateau

Obviamente, o que conta aqui também é a vista das montanhas e a oportunidade de brincar um pouquinho com a neve, sempre uma atração especial para nós, brasileiros. Eu também recomendo fazer esse passeio com um sapato fechado ou tênis à prova d’água porque senão entra um pouco de neve, molha a meia, faz um frio da porra, num rola.

Montanhas vistas do Plateau
Montanhas vistas do Plateau

10. A última parte do passeio inclui algumas lojas, incluindo uma sessão bem grande de produtos da Victorinox, marca que fabrica os famosos canivetes suíços. Pelo que eu vi no país, o preço desses produtos é padronizado. Outras coisas que podem ser encontradas são roupas, relógios, pequenas esculturas de madeira, chaveiros, globos de neve e tudo quanto é tipo de souvenir. Também tem produtos como toucas de frio, luvas e protetor solar, itens que as pessoas normalmente costumam esquecer de levar para o passeio e acabam comprando por lá.

Loinha de souvernirs
Loinha de souvernirs

Outro atrativo do passeio é a loja da Lindt. Ali há uma pequena exposição interativa sobre os ingredientes e a fabricação dos chocolates. A empresa existe desde 1845 e é conhecida pelos seus chocolates saborosos que derretem na boca. Passei pelo local no final do passeio, no meio da tarde, e achei boas promoções de barras de chocolate, além de vários sabores que eu não via nos supermercados. O ponto negativo foi que o local estava lotado, ficando difícil até mesmo de circular lá dentro. De qualquer maneira, fiz algumas compras, além de ganhar amostras de chocolates de brinde.

Loja da Lindt
Loja da Lindt

E assim se encerra esse passeio pela estação que é chamada de Top of Europe. Abaixo, deixo o vídeo com algumas cenas do trajeto percorrido de trem até chegar ao topo, bem como dos atrativos do local.

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s