Localização de Arequipa no mapa mundi

Arequipa – Geografia e clima

Arequipa é a segunda cidade mais populosa do Peru, com uma estimativa de 2015 que ultrapassa os 900.000 habitantes na região metropolitana (está atrás apenas de Lima, com seus milhões e milhões de moradores). Em 1796, um dos primeiros censos da cidade contabilizou pouco mais de 37 habitantes, sendo que a grande maioria era de origem espanhola. O boom aconteceu a partir das melhores condições de vida proporcionadas no século XX, principalmente pelo processo de industrialização voltado para o beneficiamento de produtos agrícolas. Para se ter uma ideia, a população cresceu de 80.000, em 1940, para 158.000, em 1961 – praticamente o dobro. Também contribuíram para esse crescimento os terremotos e secas dos altiplanos, que aceleraram a migração, urbanização e crescimento periférico da cidade que perduram até os dias de hoje. Diferentemente das outras grandes cidades peruanas marcadas pelos povos mestiço e nativos americanos, Arequipa é considerada uma ilha espanhola em um mar indígena.

Atualmente, uma quantidade expressiva da população economicamente ativa exerce trabalhos informais (36.6%), seguidos dos envolvidos com comércio (23%) e manufatura (12,9%). Desde o século passado, a indústria têxtil e a agricultura fazem com que a cidade seja um polo comercial e industrial importante da região, servindo como ligação entre as montanhas e o mar. Também se destacam as minerações. Além disso, Arequipa é o terceiro principal destino turístico do Peru, ficando atrás apenas de Lima e Cusco.

Entrada do Museo Santuarios Andinos
Entrada do Museo Santuarios Andinos

A cidade polo da região também se destaca na área da educação, possuindo mais de 15 universidades. Na parte cultural, a cidade conta com diversos museus, dos quais eu destaco o Museo Santuarios Andinos mantido e administrado pela Universidad Católica de Santa María. Ali está exposta uma coleção significativa de peças pré-Colombianas locais e a famosa múmia Juanita. Seu mais famoso cidadão (pelo menos para mim) é Mario Vargas Llosa, escritor ganhador do Prêmio Nobel de Literatura no ano de 2010. A música também é muito importante para os locais, se destacando os estilos vals criollo (valsa peruana), yaravi e huayno. A culinária regional possui uma grande variedade, com quase 200 pratos típicos que misturam influências europeias e andinas.

Biblioteca Regional Mario Vargas Llosa
Biblioteca Regional Mario Vargas Llosa

Localizada no vale do rio Chili, Arequipa está em uma média de 2.328 metros acima do nível do mar. Ao norte e leste estão montanhas da Cordilheira dos Antes, enquanto outro lado se abre para o caminho em direção ao Oceano Pacífico. Essa localização estratégica, que faz a ligação entre a costa e os altiplanos peruanos, foi de grande importância para o desenvolvimento e crescimento da cidade. Na paisagem da cidade, se destacam os vulcões Misti (ativo), Picu Pichu e Chachani (extintos).

Vários dos passeios oferecidos pelas agências de turismo da cidade são voltados para a exploração da natureza da região, incluindo escaladas nos vulcões e outras montanhas, caminhadas, rafting nos rios, mountain biking e outros. Eu fiz o passeio de dois dias pelo Cañon del Colca, que inclui algumas dessas atividades e a observação do voo dos condores.

Gráfico com médias do clima

O clima desértico é caracterizado pela pequena quantidade de chuva e grande amplitude térmica, o que quer dizer que há uma variação considerável entre o calor, durante o dia, e o frio, à noite. Uma viagem ao local exige que sejam levadas roupas de frio intenso, visto que alguns passeios pela região são feitos em altitudes bastante elevadas. Mas não se pode esquecer de que se trata de uma região com um dos mais altos níveis de radiação solar da América do Sul, o maior do Peru, devido à proximidade com o deserto do Atacama e a poluição, então é preciso se proteger de todas as formas possíveis do sol. Com relação à temperatura, não há uma diferenciação muito grande entre as estações, com os meses de junho e julho sendo um pouco mais frios que o restante do ano.

A duração do dia não é um critério muito relevante na hora de decidir em que época visitar a cidade, já que a variação não é tão grande entre o verão e o inverno. O período chuvoso vai de dezembro a março, mas não ocorrem precipitações muito significativas. Esses meses são marcados pela presença de nuvens no período da tarde e poucas chuvas. Eu não gosto de passeios externos na chuva, então evitaria ir nesses meses, ainda que sejam poucas. De qualquer maneira, a cidade possui cerca de 300 dias de sol durante o ano.

Anúncios

2 comments

  1. Arequiiiipa!!! ❤ Já bateu saudade na primeira foto, que coisa linda!
    E eu não sabia que era uma das regiões com maior índice de radiação solar, agora tá explicado por que voltei de lá tão tostada e com a boca lascada!
    A cidade ainda presenteou a gente com o Mario Vargas Llosa, tinha esquecido disso, pqp!!! Adorei esse post, informativo pra caramba e me matou de saudade!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s