Centro Cultural da Romaria

Congonhas – Centro Cultural da Romaria

O espaço onde funciona esse centro cultural servia de abrigo para pessoas e famílias humildes de romeiros e fiéis que visitavam a cidade de Congonhas. O maior fluxo de pessoas se concentrava no período dos festejos do Jubileu do Senhor Bom Jesus de Matosinhos. Inicialmente, as comemorações se davam em maio e setembro, mas as constantes chuvas do primeiro semestre, que comprometiam o trânsito pelas estradas de Minas Gerais, acabaram limitando o evento para os dias 7 a 14 de setembro. Esse turismo religioso já acontecia desde os anos 1770, mas foi na década de 1930 que se deu início à construção desse conjunto de pequenas casas geminadas para dar conta da grande quantidade de visitantes.

Portão de entrada
Pórtico de entrada

Para se hospedar na Romaria, como era chamada a pousada, cada família de peregrinos e pagadores de promessas pagava cinco mil réis pelo tempo do jubileu. Essa quantia era considerada, à época, bastante acessível. Cerca de trinta anos depois, o espaço seria desativado e vendido a um grupo empresarial carioca, que pretendia erguer ali um hotel. Os planos não seguiram adiante, mas a estrutura original foi quase toda demolida em 1968, restando apenas as duas torres ligadas por um arco que compõem o pórtico de entrada.

Detalhe da arquitetura
Detalhe da arquitetura

Foi somente em 1993 que a prefeitura municipal recuperou o terreno e o pouco que restava da construção. A restauração do pórtico teve início no ano seguinte e procedeu-se à reconstrução das casas, mantendo as mesmas características arquitetônicas da antiga pousada, inspirada nas capelas dos Passos da Paixão, que fazem parte do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos. A partir de 2018, o espaço passou por novo processo de revitalização e readequações.

Grande espaço para eventos
Grande espaço para eventos

Atualmente, o Centro Cultural da Romaria abriga uma grande estrutura destinada à preservação da histórica e incentivo à arte. O seu extenso pátio circular interno é o principal local de eventos da cidade, sendo palco de apresentações artísticas e lazer para a população local e turistas. Na minha última visita a Congonhas, não havia nada programado devido às limitações impostas pela pandemia. Ainda assim, a entrada estava liberada e pude explorar o espaço gratuitamente.

Sala de reuniões
Sala de reuniões

As áreas internas contam com o gabinete do prefeito, que podia ser visto pelas janelas; um salão para oficinas de arte; espaço para exposições; auditório com sessenta lugares e cineclube; salas de estudos e pesquisas; museu voltado para a mineralogia; a rádio e o canal de TV educativo da cidade; loja de lembrancinhas; lanchonete e outros atrativos, além de setores técnicos e administrativos. Já nas torres originais, logo na entrada, funcionam um posto de informações turísticas e o memorial da cidade. Ao lado do centro cultural, também pode ser visitado o Parque Natural da Romaria e, futuramente, o Teatro Municipal.

2 comentários

  1. André Candreva - Presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Congonhas disse:

    Outra bela matéria acerca do patrimônio material congonhense. A Romaria foi um belo exemplo do investimento das melhorias proporcionadas pelos padres da Congregação Redentorista que administraram o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos em Congonhas entre os anos de 1923 a 1971.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe uma resposta para André Candreva - Presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Congonhas Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s