Cachoeira da Jangada

Casa Branca – Trilha para a Cachoeira da Jangada

Depois que fiz a trilha vai até a Cachoeira da Ostra, que é a mais famosa dessa região, fiquei interessado em conhecer melhor os arredores de Casa Branca – muitas pessoas optam até por escolher uma hospedagem no povoado para aproveitar as muitas opções de contato com a natureza. Como eu moro próximo, preferi fazer um bate e volta mesmo. Esse passeio eu fiz em julho, já no inverno. Essa época do ano tem como vantagem não ter mais chuvas na região, mas deixa as águas ainda mais geladas que o costume.

Estrada para Casa Branca
Estrada para Casa Branca

Embora esteja um distrito de Brumadinho, a comunidade rural fica bem distante e eu nem passei pela cidade. Saindo de Belo Horizonte, peguei a BR-040 em direção a Nova Lima, atravessei o bairro Jardim Canadá e entrei no Parque Estadual da Serra do Rola-Moça, sempre seguindo sem problemas as orientações do GPS no celular. Para facilitar, recomendo indicar como destino a Praça de São Sebastião na comunidade rural de Casa Branca. A estrada é um atrativo à parte, contando com alguns pontos onde é possível parar o carro e apreciar a ampla paisagem, como no Mirante Morro dos Veados.

Igreja Matriz de São Sebastião
Igreja Matriz de São Sebastião

Ao chegar lá, a principal referência é a Igreja Matriz de São Sebastião. Muitas pessoas aproveitam para comprar mantimentos no supermercado para levar no passeio, como lanches e água, mas o ideal é mesmo levar tudo de casa, tanto para não perder tempo quanto porque o comércio pode estar fechado. Também tem na área alguns restaurantes e bares, o que pode ser interessante de conferir na volta. Digo isso porque eu recomendo começar a trilha o mais cedo possível para ter menos gente nas cachoeiras, podendo parar para um almoço tardio na cidade na volta.

Como sempre surgem muitas dúvidas com relação ao caminho a ser tomado para chegar ao destino final, principalmente por se tratar de uma trilha no meio do mato, eu gosto de criar um mapa interativo para uso próprio e posterior disponibilização aqui. É possível aproximar para ver com mais detalhes o acesso até as cachoeiras e os principais pontos de referência para não se perder, mas no caso da Cachoeira da Jangada o trajeto é bem simples.

Rua Um
Rua Um

A partir da praça, você pega a Rua Um ao lado do quarteirão da igreja e segue por um trecho de terra pelo caminho mais óbvio por cerca de 2 km, sempre ignorando qualquer desvio. Eventualmente, você vai chegar até a Estrada Para Brumadinho e continuar nela por mais de 2.5 km, tendo como destino e referência a Portaria da Mina de Jangada da empresa Vale, que explora os minérios dessa região. Você pode fazer o trajeto a pé, mas acaba sendo uma caminhada bastante longa, principalmente se considerar a necessidade de voltar tudo depois. Ele está marcado no mapa de vermelho escuro – não confundir com o trajeto da trilha da Cachoeira da Ostra, que fica para o lado oposto.

Carros estacionamentos no encostamento
Carros estacionamentos no encostamento

Eu preferi ir de carro, tanto para ser um passeio menos cansativo quanto para chegar mais cedo e ter menos pessoas por lá – funcionou, pois fui o primeiro a parar no estacionamento. Como essa é uma trilha de acesso muito fácil, acaba ficando cheia de gente, principalmente nos finais de semana e épocas de férias. Nesse tipo de passeio, prefiro que o ambiente esteja o mais tranquilo possível para aproveitar melhor o contato com a natureza e a sensação de estar fora da cidade. Inclusive quando cheguei lá não tinha ninguém, na hora de ir embora o acostamento já estava lotado de veículos.

Subir terra para pular a cerca
Subir terra para pular a cerca

A entrada oficial para a estrada estava fechada com um portão, impedindo o acesso tanto de veículos quanto de pedestres. Ali tem uma placa informando que se trata de uma propriedade particular e alerta para riscos de acidentes. Na maioria dos casos, esse tipo de aviso é colocado mais para que a empresa possa se isentar de quaisquer danos causados ao visitante do que uma proibição efetiva, mas entre por sua conta e risco. Eu confesso que não me sinto muito confortável. Seja como for, um pouco antes tem um monte de terra que dá acesso ao início do trajeto a pé, convenientemente marcado com outra placa, que é mais fácil e digno do que pular o portão.

Paisagem no começo da trilha
Paisagem no começo da trilha

Quando eu fiz a trilha estava um dia lindo, com pouquíssimas nuvens no céu. O começo fica um pouco mais no alto e tem uma vista bem bonita da paisagem. Como eu cheguei bem cedo, tinha uma névoa ou nuvens baixas bem marcadas sobre as montanhas, criando um clima super bacana e com potencial para ótimas fotos. A partir daí, é uma descida leve a maior parte do caminho, sem a necessidade de fazer muito esforço, mas vi algumas pessoas que não tem costume de fazer esse tipo de passeio reclamando da distância e do cansaço.

Caminho pela estrada de terra
Caminho pela estrada de terra

Os primeiros 2 km são percorridos em uma estrada larga de terra, marcada de vermelho no mapa, com árvores que proporcionam sombra de manhã e a tarde. Já se você passar por lá por volta do meio dia, o sol a pino pode castigar bastante. Por isso é sempre importante usar protetor solar, roupas adequadas e calçado próprio para caminhada. Embora seja um trajeto considerado curto, é recomendado levar pelo menos um litro de água por pessoa e também lanches, já que não há nenhum tipo de estrutura para receber o turista no parque.

Entrada da trilha na mata
Entrada da trilha na mata

A entrada da trilha em si é feita em um lugar onde foram colocados tapumes, provavelmente com o objetivo de evitar o acesso de motos e bicicletas – embora eu tenha visto alguns ciclistas chegando até a cachoeira. Fato é que ela é bem evidente e praticamente impossível de passar sem ser percebida. Nesse local você literalmente entra na floresta e o caminho se torna estreito, exigindo a caminhada em fila indiana. A trilha continua sendo bem marcada e não tem desvios que permitem se perder.

Trilha em mata fechada
Trilha em mata fechada

Depois que você entra nesse desvio, basta seguir a trilha na mata, marcada de rosa no mapa, por cerca de 550 metros, facilmente percorridos em menos de vinte minutos. Não vi nenhum obstáculo além de alguns galhos e troncos caídos, então considero que seja uma caminhada extremamente tranquila, tanto que uma grande variedade de pessoas consegue chegar até a cachoeira, incluindo crianças e pessoas mais velhas.

Clareira com fogueira e mirante
Clareira com fogueira e mirante

Rapidinho se alcança uma espécie de clareira onde algumas pessoas aproveitam para fazer uma fogueira, embora isso não seja recomendado devido aos riscos de causar incêndios com grande prejuízo para a natureza. Lembro que se trata de uma propriedade privada e é proibido ingressar no local, quem dirá acampar. Também sempre fico chateado com a quantidade de lixo que vejo jogado pelos cantos – sempre recolha tudo, gerando o menor impacto possível ao meio ambiente.

Poços e pequenas quedas
Poços e pequenas quedas

Essa clareira funciona como um mirante para alguns poços e pequenas quedas, além de ser o encontro de diferentes acessos à queda principal da cachoeira. A opção mais direta é pegar o caminho da direita, apesar de a descida íngreme poder representar um empecilho para algumas pessoas. Tem gente inclusive que usa corda para se sentir mais segura, mas eu não senti necessidade. A alternativa é seguir para a esquerda da fogueira e fazer a travessia das águas pela parte superior que aparece na foto e andar mais um pouquinho de trilha.

Cachoeira da Jangada
Cachoeira da Jangada

Eu segui o caminho da direita mesmo para o acesso mais rápido. O problema é que você chega na margem que não bate sol e precisa ir pela água pelo outro lado, uma travessia escorregadia e especialmente perigosa na estação as chuvas, quando a correnteza fica mais forte. Como eu fui no inverno, o nível estava baixo e não passava em nenhum momento da altura dos joelhos. Ainda assim, vi algumas pessoas escorregando e já li relatos de gente que se machucou, então é preciso ir com bastante cuidado, preferencialmente em grupos.

Banho em águas geladas
Banho em águas geladas

Uma coisa que eu gostei da Cachoeira da Jangada é que ela tem um poço bem extenso e raso em sua maior parte, só ficando profundo perto da queda. O local é bastante ensolarado e isso compensa um pouco o frio congelante da água – pelo menos nesses meses mais frios do meio do ano. Como o acesso é muito fácil, acaba ficando muito cheio e no começo da tarde eu já quis ir embora – prefiro aproveitar esse tipo de passeio com silêncio e calma, em conexão com a natureza. Descendo o leito do rio por cerca de 200 metros se chega à Cachoeira do Anão, outro atrativo da região bem menos procurado.

Bifurcação na volta
Bifurcação na volta

A volta é um pouquinho mais puxada que a ida porque tem uma leve subida ao longo dos quase 3km até o estacionamento. Não tem muito segredo, sendo que a única bifurcação é praticamente no final da estrada, onde o caminho da esquerda dá no portão e o da direita chega até o montinho de terra usado na entrada.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s