La Maison du Gruyère

Gruyères – Visita à fábrica do queijo

Provavelmente você já experimentou o queijo Gruyère ou, mais provavelmente ainda, alguma versão local dele. Digo isso porque, como é um dos tipos mais famosos do mundo, ele acaba sendo copiado. Trata-se de um queijo duro, de casca seca e castanha, produzido na pequena cidade suíça de mesmo nome e nas suas proximidades. Durante a minha viagem pelo país, aproveitei para conhecer uma das fábricas que fazem a receita. Escolhi a La Maison du Gruyère, já que isso me daria oportunidade de aproveitar o dia para visitar outras atrações da vila, como o Museum HR Giger e o Château Gruyères.

Fabricação do queijo
Fabricação do queijo

Eu estava hospedado em Lausanne, cidade que usei de base para os passeios na região, no Hôtel Résidence du Boulevard. Um dos motivos para escolher esse hotel foi que ele ficava bem pertinho da estação de trens, o que facilitava bastante no transporte. A viagem de trem dura entre 1h30 a 2h e eu recomendo se programar para ir cedo porque a fabricação começa no período da manhã e vai até o começo da tarde. Para conferir os horários, que variam dependendo da estação, recomendo acessar a página oficial. Lá você pode checar inclusive o início e duração de cada uma das etapas. Resumidamente, o processo de produção se inicia por volta das 7h30, mas a abertura para visitação é às 9h. Me programei para chegar nesse horário e achei que valeu à pena, pois ainda haviam poucas pessoas no local e deu para aproveitar bem tanto o passeio pela fábrica, quanto o resto do dia.

Para chegar lá não tem erro, pois a fábrica fica exatamente atrás da estação de trens. Confira os horários de funcionamento e os preços para fazer a sua programação.

Painel interativo
Painel interativo

A visita pela produção do queijo é relativamente rápida, podendo durar de 30 a 45 minutos. Ao comprar o ingresso, você recebe um pacotinho com três amostras grátis do queijo (com diferentes tempos de cura) e um guia de áudio em várias línguas, inclusive português. Durante o trajeto interativo, você irá obter informações sobre a história de séculos de produção do queijo, quais as suas especificidades, o tempo de cura e o tratamento dado ao produto nesse período, o peso e quantos litros são necessários ou até mesmo o que as vacas comem e bebem para produzir o leite.

Observação da produção
Observação da produção

A produção de queijo nessa região acontece, pelo menos, desde 1115. Isso pode ser comprovado em crônicas medievais que citavam a transformação do leite, cujo resultado era vendido inclusive na França e na Itália. O reconhecimento oficial do nome e da terra, entretanto, só aconteceu no século XVII. Com o passar dos anos, a chegada de muitos imigrantes estendeu a área de produção para outros cantões do país e, posteriormente, outros países. Isso gerou a preocupação em controlar a designação da origem do produto. Por isso, hoje, só é considerado o verdadeiro queijo Gruyères aquele produzido na Suíça.

A parte mais interessante, entretanto, é acompanhar a produção do queijo em si, o que é feito a partir de uma visão superior. As etapas incluem esquentar e maturar leite; adicionar a enzima (extraída do estômago de bezerros) que faz o líquido talhar após 35-40 minutos; deixar a mistura descansar; ativar os cortadores de arame que, lentamente, realizam o trabalho de fatiar a coalhada até que atinjam o tamanho de grãos de arroz; agitar, cozinhar e aquecer a coalhada e o soro do leite; checar a consistência e a textura da massa; drenar e modelar a coalhada; identificar e armazenar os queijos. O processo de fabricação das 48 peças de queijo diárias é comandada por Jacques e Nicolas Ecoffey observando as especificações da AOP – Appelation d’Origine Protégée.

Maturação dos queijos
Maturação dos queijos

Já do lado de fora da exposição, ao lado do restaurante, você pode observar onde são armazenados os queijos para maturação, que é de pelo menos 5 e pode ultrapassar os 15 meses. Quanto mais curado, mais ele fica seco e salgado. As amostras que recebemos na entrada do passeio eram de 6, 8 e 10 meses.

Restaurante da fábrica
Restaurante da fábrica

Você também pode aproveitar a visita para tomar café da manhã ou almoçar no restaurante, que possui no cardápio pratos regionais, incluindo a tradicional fondue. Eles também têm, por um preço que eu achei interessante se consideramos que nada na Suíça é barato mesmo, um menu do dia com entrada, prato principal e sobremesa. Gostei bastante do ambiente, mas acabei não comendo por lá porque já tinha lanchado durante a viagem de trem e não queria perder muito tempo almoçando.

Marché Gruèrien
Marché Gruèrien

Além de tudo isso, você pode passar na Marché Gruèrien, loja que fica dentro da fábrica e vende produtos relacionados ao queijo e outros provenientes do leite, pães, vinhos, produtos regionais, doces, lembrancinhas e outros itens. Eu acabei comprando uns chocolates, mas não quis levar muitas coisas porque continuaria passeando durante o dia inteiro e não estava animado de ficar carregando peso para cima e para baixo.

 

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s