Lagoa vista do interior da igreja

Belo Horizonte – Conjunto Moderno da Pampulha

Em 1936, o prefeito de Belo Horizonte, Otacílio Negrão de Lima, iniciou o represamento do ribeirão Pampulha com o objetivo de amortecer as enchentes na região e contribuir para o abastecimento da capital. Surgia, assim, a lagoa da Pampulha. A obra, entretanto, se estendeu para além de seu mandato. Juscelino Kubistchek, que substituiu Otacílio Negrão de Lima na prefeitura e possuía um grande espírito empreendedor, foi o responsável por encomendar ao jovem (vocês achavam que ele sempre foi velho, né) Oscar Niemeyer, ainda em início de carreira, o projeto de quatro edifícios a serem construídos no entorno. Aproveitando-se da lagoa, com o objetivo de modernizar a cidade e atrair pessoas para a região até então pouco frequentada, decidiu-se pela construção de um cassino, uma igreja, uma casa de baile e um clube.

Jardim do Museu de Arte da Pampulha
Jardim do Museu de Arte da Pampulha

Esse edifício foi projetado e construído para ser o Cassino e era a maior atração do conjunto à época em que foi lançado, sendo o responsável por trazer visitantes de outras cidades e estados. Posicionado em um terreno mais elevado, destaca-se na paisagem, ao mesmo tempo em que se integra com o ambiente externo de forma harmônica. Os jardins são de responsabilidade do paisagista Roberto Burle Marx e também contam com esculturas de Ceschiatti, Zamoyski e José Pedrosa. Com a proibição dos jogos de azar poucos anos depois de sua inauguração, o Cassino foi fechado e o espaço foi aproveitado para a abertura do Museu de Arte da Pampulha.

Marquise no jardim da Casa do Baile
Marquise no jardim da Casa do Baile

A Casa do Baile foi projetada para abrigar um salão com mesas, pista de dança e um pequeno restaurante, além do jardim de Burle Marx. Frequentada pela alta sociedade, recebia muitos visitantes que saíam do Cassino e faziam a travessia da lagoa de barco. Com o fechamento do Cassino, o público acabou se tornando escasso, o que ocasionou o seu fechamento e o uso para fins diversos nas décadas seguintes. Atualmente, o local funciona como Centro de Referência de Urbanismo, Arquitetura e Design.

Iate Tênis Clube
Iate Tênis Clube

Concebido como atrativo público de lazer e esportes, o Iate Golfe Clube possuía piscinas, quadras esportivas e acesso à lagoa para a realização de atividades náuticas como remo e vela. O destaque arquitetônico do edifício é seu telhado em V, popularmente chamado de “borboleta”, que serve para recolher a água da chuva por uma calha central. Ali também há obras de Cândido Portinari e Roberto Burle Marx, dando identidade ao conjunto. Atualmente chamado Iate Tênis Clube, manteve seu uso como local de lazer e práticas desportivas após a privatização, na década de 1960.

Fachada principal da igreja projetada por Oscar Niemeyer
Fachada principal da igreja projetada por Oscar Niemeyer

A Capela Curial São Francisco de Assis, conhecida como Igrejinha da Pampulha, é a atração mais famosa da região. Foi a primeira igreja em estilo moderno a ser construída no Brasil e, sem surpresa, não foi bem aceita pela comunidade religiosa da época, só sendo aberta para a realização de missas anos depois. Destaca-se os painéis e pinturas criados por Cândido Portinari, o alto relevo esculpido por Alfredo Ceschiatti, o mosaico de Paulo Werneck e o paisagismo de Burle Marx.

Mapa das atrações na orla da Lagoa da Pampulha
Mapa das atrações na orla da Lagoa da Pampulha

Posteriormente, a orla da Pampulha recebeu outros atrativos, como o estádio de futebol Mineirão, o ginásio Mineirinho, o Zoológico de Belo Horizonte, o Centro de Preparação Equestre da Lagoa, o Parque Ecológico da Pampulha, o Parque de Diversões Guanabara e pistas para ciclismo e caminhada, além de mirantes, restaurantes, casas de festa e outros.

Capivaras na orla da Lagoa da Pampulha
Capivaras na orla da Lagoa da Pampulha

Apesar de todo o potencial turístico, a lagoa ainda esbarra no problema de poluição das águas. Até os anos 1980, as águas eram usadas por banhistas e desportistas, mas o despejamento de esgoto a tornou imprópria para o banho. No começo dos anos 2000, foi iniciado um esforço de recuperação, mas ainda há dois córregos, Xangrilá e Sarandi, que abastecem a lagoa com esgoto. Além disso, a presença das fofíssimas capivaras gera alertas devido aos carrapatos-estrelas, agentes transmissores da febre maculosa. Volta e meia também aparece um jacaré nas margens da lagoa, mas eles não oferecem grande risco, já que é proibido entrar na água.

Praça Alberto Dalva Simão
Praça Alberto Dalva Simão

Em 2016, o Conjunto Moderno da Pampulha recebeu da Organização das Nações Unidas para a Cultura, Ciência e Educação (Unesco) o título de Patrimônio Cultural da Humanidade. Além dos edifícios e jardins da Igrejinha da Pampulha, Cassino, Casa do Baile e Iate Clube, também fazem parte do complexo as praças Dino Barbiere (em frente à igreja) e Alberto Dalva Simão (próxima à Casa do Baile), ambas projetadas por Burle Marx. Mais que catalogar os bens culturais, a Unesco ajuda na identificação, proteção e preservação desses patrimônios. O título ajudará a atrair mais turistas e investimentos para renovações no conjunto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s