Fuga

Fuga ★★★★☆

Título original: Flugt
Ano:
2021
Direção: Jonas Poher Rasmussen

Esse documentário bastante profundo é sobre a luta pela sobrevivência, a necessidade de pertencimento, a busca de identidade e a superação de traumas. Acompanhamos a história de um refugiado afegão que precisou abandonar seu país de origem ainda criança, atravessando um doloroso e longo processo até se reestabelecer.

Conversa entre amigos
Conversa entre amigos

O desenho é utilizado para proteger a identidade dos personagens, mas também para dar vida a fatos do passado na vida particular do entrevistado que, em sua maior parte, não possuem nenhum tipo de registro. Trata-se de um amigo de longa data do diretor e as conversas entre eles são verdadeiras, enquanto outros personagens são dublados por atores. Nomes e locações também foram alterados para garantir o máximo de privacidade.

Infância no Afeganistão
Infância no Afeganistão

A trama tem início no Afeganistão, país com conflitos e perseguições políticas que impactam diretamente na vida da população. Para o personagem, as memórias felizes da infância e a conexão com a família nas décadas de 1980-90 são conflitantes com experiências traumáticas, como a perda do pai. Os anos que se seguiram à fuga também não são positivos, caracterizados por privações financeira e de liberdade.

Adolescência na Rússia
Adolescência na Rússia

A adolescência, passada na Rússia, por exemplo, foi marcada pelo medo e grande incerteza com relação ao futuro. Tecnicamente, achei a animação limitada – o movimento seria mais fluido e natural com a inserção de mais desenhos. Mas essa simplicidade acaba funcionando bem com o tema, deixando o visual mais seco. Além disso, são usados diferentes estilos, esquemas de cor,  efeitos sonoros, proporções dos elementos em tela, foco nas expressões faciais e corporais e outros recursos para ressaltar a felicidade, o medo, o tédio e a claustrofobia, entre outros.

Campo de refugiados na Estônia
Campo de refugiados na Estônia

Outra força do documentário é a inserção de imagens reais de forma pontual, porém bastante contundente. Um exemplo é o campo de refugiados mostrado na Estônia, que funcionou ao mesmo tempo como um abrigo e uma prisão, em péssimas condições. Esse recurso ajuda a dar uma dimensão maior ao drama, mostrando que a história particular do personagem é apenas uma entre a de milhares de pessoas.

Vida de refugiado na Dinamarca
Vida de refugiado na Dinamarca

Já na Dinamarca, embora leve uma vida infinitamente melhor em termos de oportunidades de crescimento pessoal e profissional, o personagem parece não encontrar a felicidade que esperamos e até cobramos que sinta. Isso leva o espectador a refletir sobre a complexidade do que ele viveu. Muitas vezes, é difícil fugir do passado, o que te leva a se sentir sozinho, vulnerável e incapaz de seguir em frente.

Os problemas não acabam
Os problemas não acabam

Testemunhar uma pessoa enfrentando seus medos depois de tantos anos é extremamente tocante. De certo modo, a fuga não acaba quando alguém deixa para trás o seu país, a violência, a guerra. As feridas são muito profundas e, provavelmente, vão estar presentes para toda a vida. Como preencher esses espaços com alegria, aceitação e amor? É uma pergunta que o documentário parece fazer, constantemente, não importa de onde você veio, para onde vai ou quais foram seus traumas particulares.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s