Nomadland

Nomadland ★★★★☆

Ano: 2020
Direção: Chloé Zhao
Elenco: Frances McDomand, David Strathairn, Linda May e Swankie.

Sempre que eu leio uma notícia de que alguém largou tudo e caiu no mundo, eu entendo o conceito e vejo como isso pode fazer sentido para muitos, mas a ideia não me atrai. Isso porque a maioria dos depoimentos vendem uma vida perfeita e com total liberdade que, na minha opinião, poucos vão conseguir alcançar ou adaptar à sua realidade. Talvez por isso mesmo esse filme tenha me agradado tanto, já que ele não romantiza a vida nômade. Pelo contrário, podemos ver ali tanto pontos positivos quanto negativos.

Nomadland - Surviving America in the twenty–first century
Nomadland – Surviving America in the twenty–first century

A trama é inspirada livremente no livro documentário de mesmo nome escrito por Jessica Bruder após um colapso financeiro. Na época, empresas descobriram uma mão de obra barata composta, prioritariamente, por americanos mais velhos que transitavam de um lugar para o outro em buscas de oportunidades sazonais. Vítimas da crise, esses trabalhadores formaram uma crescente comunidade nômade composta por pessoas de passados diversos, incluindo antigos professores, gerentes de lojas, policiais e outros.

Trabalhos sazonais no oeste americano
Trabalhos sazonais no oeste americano

Após perderem seus empregos e propriedades, eles passaram a trabalhar em restaurantes e lojas de beira de estrada, colheita de alimentos em grandes fazendas, embalagem de produtos de lojas virtuais e limpeza dos acampamentos. Parte desse estilo documental acabou entrando no roteiro do filme, que mistura ficção e realidade ao inserir pessoas do movimento nômade interpretados por eles mesmos. Algumas das cenas mais tocantes mostram relatos de fatos reais, o que traz mais peso à obra.

Pegando a estrada
Pegando a estrada

Essas personagens, fictícias ou reais, são o coração da trama, nas paisagens complementam bem seus sentimentos, mostrando isolamento e beleza. As imagens mostram estradas que passam por desertos, pequenas localidades cobertas de neve, florestas densas e chegam ao mar. Durante as filmagens, feitas ao longo de quatro meses, vários membros da equipe chegaram a dormir em vans, incluindo a diretora e a atriz principal. A produção passou por cinco estados americanos, adaptando e incorporando lugares e situações que encontraram pelo caminho.

Personagem perde tudo e vira nômade
Personagem perde tudo e vira nômade

Mas o foco principal é em uma mulher na faixa dos sessenta anos de idade que deixa sua casa após perder tudo na recessão e viaja pelo oeste americano, conhecendo novas pessoas a cada parada. É interessante porque, ao mesmo tempo que é uma situação desoladora, que coloca em questão o tão propagandeado american dream, também podemos ver com admiração sua luta pela sobrevivência. Seu modo de ver o mundo vai mudando ao passar do tempo, mas isso é mostrado mais subjetivamente do que de maneira didática. Basta observar com atenção os seus interesses, o brilho no olhar em determinadas ocasiões, a relação com certos objetos e a construção das cenas. Ainda assim, não são deixadas de lado as dificuldades, o estresse e os conflitos internos. E apesar dessa pesada carga dramática, dá mesmo para apreciar as belas localidades.

Mina abandonada
Mina abandonada

A cidade de Empire, no estado de Nevada, tem suas origens em 1923, quando mineradores armaram tendas no local. Logo foi aberta uma empresa que atraiu mais pessoas e a população da pequena comunidade chegou ao ápice de 750 pessoas no início dos anos 1960. Com a recente recessão, a companhia que extraía gesso ali fechou. Sem emprego, os residentes continuaram a habitar as moradias construídas pela mineradora por um tempo, mas foram embora ao fim do ano escolar. A cidade fantasma chegou até mesmo a ter seu código de endereçamento postal descontinuado, só passando a ser novamente ocupada em 2016.

Lachonete em Wall Drug
Lachonete em Wall Drug

O Badlands National Park possui quase mil quilômetros quadrados de área em que se destacam os desfiladeiros marcados pela forte erosão e a maior pradaria de grama mista intacta do país. Historicamente, o espaço foi usado há milhares de anos para caça pelos americanos nativos, é rico em fósseis de animais já extintos e foi usado como base de treinamento da aeronáutica durante a Segunda Guerra Mundial. Também no estado de Dakota do Sul foram feitas imagens em uma comunidade de beira de estrada cujos atrativos incluem lojas e restaurantes com tema de cowboy, mas também uma galeria de arte e uma escultura de um brontossauro. Pode parecer bobagem, mas Wall Drug atrai muitos visitantes com seus donuts caseiros, souvenirs e abundantes outdoors ao longo da rodovia.

Colheita de beterrabas
Colheita de beterrabas

A produção não pôde filmar as grandes plantações da Dakota do Norte, que empregam uma quantidade grande de nômades, por falta de autorização das empresas. Por isso, seguiu-se na direção sul até as grandes planícies do oeste de Nebraska, que aparecem no filme como local de colheita de beterrabas, um trabalho bastante pesado realizado no outono. A cidade mais próxima é Scottsbluff, fundada em 1899 por uma companhia ferroviária.

Rubber Tramp Rendezvous
Rubber Tramp Rendezvous

Algumas das cenas mais emblemáticas do filme acontecem no Arizona. Quem viaja pela região no inverno pode visitar Quartzsite, um lugar selvagem do velho oeste onde os nômades retratados costumam se encontrar uma vez por ano no evento conhecido como Rubber Tramp Rendezvous. Dizem que a cidade surgiu quando o carro de uns viajantes quebrou na estrada. Eles decidiram ficar ali para vender suas coisas e o ponto virou um local de comércio. Também acontece ali a maior feira de pedras preciosas e minerais dos Estados Unidos.

Bernadino National Forest
Bernadino National Forest

Contrastando com todas essas imagens, as cenas da Califórnia destacam uma imensa variedade de paisagens que inclui as florestas e águas puras da San Bernardino National Forest. Também foram feitas algumas cenas às margens do Oceano Pacífico, na cidade de Point Arena. A vontade que dá é alugar um motorhome bem equipado para explorar uma boa parte dos locais mostrados no filme. Quanto a adotar isso como um estilo de vida, com essas condições, nem passa pela minha cabeça.

Compre o livro Nomadland

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s