Praia do Mucugê

Arraial d’Ajuda – Praia do Mucugê

Para quem está em Arraial d’Ajuda, uma boa opção para passar o dia é a praia do Mucugê. Eu fiquei em uma casa de temporada, mas há também várias pousadas ou hotéis disponíveis na região que permitem fácil acesso. Basta seguir a Rua do Mucugê, a mais famosa e turística da cidade, até chegar ao mar. No meu caso, era uma caminhada de cerca de 800 metros – o que eu achava muito melhor do que ter que pegar um carro, procurar local para estacionar, sujar o banco de areia, etc.

Muitas lojinhas no acesso à praia
Muitas lojinhas no acesso à praia

Quando eu digo que o acesso é tranquilo, na verdade estou me referindo à proximidade. Mas é importante notar que há uma ladeira considerável e eu sofria um pouco em pensar que teria que subir tudo na volta. Além disso, são calçadas estreitas, muitas vezes sendo necessário caminhar pela rua paralelepípedo. Para quem tem dificuldade de locomoção ou está mais distante, há vans que fazem o transporte até o centro da cidade, para outras praias e até a balsa que leva a Porto Seguro. A chegada à praia em si também não é muito bonita, já que há um aglomerado de lojinhas e restaurantes que forma corredores estreitos de aparência desorganizada. Mas a poucos passos a paisagem se transforma.

Funcionários das barracas abordam os turistas
Funcionários das barracas abordam os turistas

Assim que você alcança a praia e começa a andar à beira do mar para reconhecer o território, experimentar a temperatura da água e tirar algumas fotos, começa a abordagem pelos funcionários das barracas que tem a intenção de te convencer a pegar uma mesa e consumir seus produtos. Eles mesmos se referem a isso com a expressão de “pescar os turistas”. Eu confesso que a estratégia não me agrada, por isso evitava com a minha já clássica estratégia de não fazer contato visual ou simplesmente dizendo que ia dar uma caminhada antes. A vantagem, entretanto, é que eles falam quais são as promoções do dia, geralmente algum desconto nas bebidas ou refeições.

Barracas junto ao mar
Barracas junto ao mar

Seja como for, eu sempre ficava em alguma das barracas, já que não tinha levado guarda-sol, cadeira ou alimentos. Também acho ótimo poder contar com estrutura para tomar uma ducha de água doce ao sair do mar, ir ao banheiro e ter onde deixar os pertences pessoais com um pouco mais de segurança, já que normalmente passamos várias horas na praia. São várias opções, mas eu acabei usando a La Plage e a Rosa dos Ventos na maioria dos dias, já que essas me haviam sido recomendadas. Fiquei satisfeito com ambas, mas o atendimento é aquilo que se espera de uma barraca: à medida que aumenta o número de pessoas, o serviço vai se tornando mais demorado.

Pina colada
Pina colada

Isso não chegou a ser um problema para mim, já que fiz a viagem em junho, antes das férias escolares. Na alta temporada deve ser mais complicado, inclusive tendo que chegar mais cedo para garantir uma mesa – eu sou bem criterioso, já que gosto de garantir uma sombra boa, mas também ter a vista bonita da água. A época mais tranquila tinha outras vantagens, já que não havia uma consumação mínima e eles ofereciam os preços promocionais que citei acima para atrair os clientes. Outra coisa boa é que não era cobrado para ficar nas mesas de frente para o mar, uma prática que é adotada em várias praias. Obviamente que você tem que consumir algo, caso contrário não justificaria disponibilizar o uso da estrutura.

Refeição completa
Moqueca de badejo

Dito isso, eles não se importam se você comprar comida dos ambulantes que passam pelo local, embora tenha escrito nos cardápios que é proibido. E tem de tudo: castanhas, milho cozido, salgadinhos, água de coco, sorvete, camarão, ostras frescas, cocada, geladinho, etc. Sem contar com outros itens como canga, óculos de sol, bijuterias, rede, objetos de decoração e por aí vai. Essa parte de pessoas vendendo de tudo na praia eu não achei que chega a ser um incômodo porque eles não eram insistentes, mas apenas volumosos. Seja como for, priorizei o consumo dos produtos nas barracas mesmo, inclusive almoçando por lá um dia.

Música ao vivo
Música ao vivo

Obviamente que, por ser uma região turística, tudo é muito mais caro do que o normal. Na beira da praia é ainda pior que na cidade, então é importante se programar. Também é bom se informar sobre tudo o que será cobrado, já que é comum ter um DJ ou até mesmo banda ao vivo tocando, o que envolve o polêmico couvert artístico. O pagamento não é obrigatório, mas já vem automaticamente na conta, então é preciso estar atento caso queira pedir para tirar. Também sempre recomendo dar uma conferida nos valores, já que eles oferecem descontos quando você chega, e nas quantidades, pois esse tipo de estabelecimento muitas vezes adiciona itens que você nem pediu, seja por erro ou intencionalmente. A dica vale, principalmente, para quem bebe cerveja e perde facilmente a noção do número de garrafas consumidas. Eu não tive nenhum problema, mas não custa nada alertar.

Extensa faixa de areia
Extensa faixa de areia

Dito isso, é sempre possível fazer a linha farofeira e levar tudo de casa. A diferença aqui é que você não vai poder usar a estrutura das barracas de praia, tendo que levar também seu próprio guarda-sol, cadeiras e o que mais desejar. A faixa de areia da praia é bem extensa e há vários trechos livres, então não tem problemas de espaço. A economia é realmente grande, principalmente se você fizer isso por vários dias e estiver com um grupo maior, então é algo a se considerar. Ao escolher o local, apenas recomendo observar que a maré muda bastante ao longo do dia. É bom prever isso e já reservar seu cantinho mais para cima.

Pousadas e hotéis na beira da praia
Pousadas e hotéis na beira da praia

Outra possibilidade é se hospedar em uma das pousadas ou hotéis que fica exatamente de frente para a praia. Com isso você tem a vantagem de estar a poucos passos do mar e pode voltar para o quarto a qualquer momento, inclusive para buscar bebidas geladas ou aquele lanchinho que você deixou no frigobar. A desvantagem é que você terá que fazer a caminhada ou pegar o carro para subir para a cidade, onde ficam concentrados os restaurantes e alguns agitos. Arraial d’Ajuda tem opções gastronômicas bem interessantes, então vale a pena dedicar a parte noturna a um jantar mais caprichado.

Piscina natural
Piscina natural

Mas voltando à praia, eu sou desses que adora ficar um bom tempo dentro da água, embora acabe evitando devido a experiências traumáticas com queimaduras na pele. Quando quero estender o banho por mais tempo, acabo usando aquelas blusas de proteção UV. O bom da praia do Mucugê é que o mar é bem calmo, formando grandes piscinas naturais de temperatura gostosa na maré baixa. Eu aproveitei para literalmente deitar e relaxar, mas também é ótimo para quem vai com crianças, já que a água não chega aos joelhos e as ondas, nesse momento, são praticamente inexistentes.

Mar de água quente e transparente
Mar de água quente e transparente

Dito isso, é preciso ficar atento aos recifes que ficam um pouco mais distantes, mas são facilmente acessados na maré baixa. É interessante porque dá para ver caranguejos e ouriços, mas também pode ser perigoso por causar cortes nos pés devido a pedras pontudas, conchas quebradas e outras coisas. É bem fácil de evitar, já que eles não ficam na borda. O que aparece mesmo perto da areia são as algas, dando um aspecto de sujeira em alguns momentos. Apesar disso, a água é limpa e transparente.

Prática de esportes aquáticos
Prática de esportes aquáticos

A calmaria permite a prática de esportes como canoagem e stand-up paddle, aquele que a pessoa fica em pé em cima da prancha e vai remando. Eu confesso que vejo mais graça de ficar na areia vendo o esforço das pessoas em se equilibrarem e os consequentes tombos. Como os ventos fortes são uma característica da região, também fazem sucesso o kitesurf e windsurfe. Além disso, é possível fazer passeios de quadriciclo, mergulho com cilindro e sair de lancha para outras praias, incluindo saindo de Arraial d’Ajuda para conhecer Trancoso, Praia do Espelho, Caraíva, Coroa Alta e Recife de fora. Tudo isso pode ser adquirido diretamente na praia, onde ficam umas placas de vendas e de vez em quando passa alguém oferecendo.

Lendo um livro no Kindle
Lendo um livro no Kindle

Eu estava numas férias mais econômicas, tanto que fiquei hospedado na casa de temporada da minha família, economizei bastante com as refeições fazendo almoço e janta e evitei passeios caros. A maioria das idas às praias se resumiram ao consumo de um drink, uma porção para dar aquela disfarçada na fome e ficar batendo papo ou lendo um livro no Kindle. É um tipo de turismo que eu estava precisando, mais relaxado, sem a obrigação de sair cedo de casa para conhecer as atrações da região ou me preocupar com a pesquisa prévia de passeios e reservas. Decidi não ir, por exemplo, ao Arraial d’Ajuda Eco Park, que fica justamente nessa praia.

Maré cheia chegando nas mesas
Maré cheia chegando nas mesas

Basicamente, eu chegava na praia, que estava realmente bem tranquila por não ser alta temporada, e passava ali algumas horas, vendo a maré subir ao longo do dia e começar a molhar os pés ao alcançar a barraca. O clima de Arraial d’Ajuda também é ótimo em junho, já que está quente o suficiente para curtir o mar, mas a noite fica fresco e agradável. Aliás, a temperatura muda pouco ao longo do ano, então dá para fazer a viagem em qualquer época. Confesso que mal posso esperar para voltar para lá.

4 comentários

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s